Loading

Perspectivas da Imigração Holandesa no Brasil. Quatro séculos de patrimônio

Niltonci Batista Chaves (Org.)

 

Edição: 1a 

Páginas: 192

Formato: 30 x 30 cm

Peso: 1.500g

Miolo: papel cuchê 150g, costurado

Capa dura

Ano de publicação: 2010

ISBN: 978-85-62450-10-5

 

Apresentação

 

A palavra latina patrimonium surgiu na Roma antiga e era utilizada para expressar tudo o que pertencia ao pai e que era deixado por ele aos filhos, como herança. Dizia respeito aos bens materiais que, com a morte do chefe familiar, deveriam ser partilhados por seus descendentes de forma parcimoniosa.

No decorrer do tempo, e com as transformações históricas e socioculturais, esse vocábulo ganhou novos significados. A partir da difusão do cristianismo, ele incorporou uma preocupação dos cristãos de preservar e disseminar valores, sentidos, símbolos e rituais, numa dimensão imaterial que continha a essência dessa crença.

Nos dias atuais, o conceito de patrimônio ampliou-se e ganhou relevância ao redor do mundo. Sua dimensão cultural cada vez mais se sobrepõe a uma visão material. A partir dessa perspectiva, Cury sustenta que, na contemporaneidade, “patrimônio é um conceito universal, de domínio de todos, entendendo que todos temos direito ao nosso próprio patrimônio e compromisso de defesa do patrimônio de outros”.

Experiências, práticas sociais, manifestações religiosas, construções cotidianas ─ físicas ou culturais ─ compõem o conjunto de elementos que formam a noção de patrimônio, e é necessário que elas estejam associadas a um desejo coletivo de preservação de uma história, de uma identidade ou de uma vivência específica.

 

(...) podemos transitar de uma cultura para outra a partir do conceito de patrimônio, sempre tomando o cuidado de observar que não existem modelos corretos e excludentes. Ou seja, o que é reconhecido como patrimônio em uma comunidade, não necessariamente o será em outra, onde os valores são diferentes. De acordo com alguns estudos contemporâneos, comunidades constituem um objeto como seu patrimônio a partir de sua função utilitária, por exemplo, uma igreja. Já outros grupamentos humanos constituem seu patrimônio a partir de sua natureza moral, religiosa, mágica, jurídica, estética, política, psicológica ou econômica.

 

Assim, a noção de patrimônio cultural, criada pelas sociedades, envolve aspectos distintos, como espaços físicos, edificações, festividades, divindades, datas cívicas, práticas culinárias, ritmos musicais, danças, rituais, etc. O patrimônio cultural de um grupo é então fruto de relações sociais instituídas e incorporadas por ele e expressa aquilo que lhe é mais caro, precioso e singular. Enfim, as sociedades criam ou inventam seus patrimônios conforme as suas condições, realidades e interesses próprios.

Foi exatamente por compreender esse processo que os criadores e diretores do Parque Histórico de Carambeí iniciaram, em 2009, um audacioso projeto de valorização do rico patrimônio cultural que começou a ser construído nessa localidade a partir de 1911 ─ quando chegaram os primeiros imigrantes holandeses à região dos Campos Gerais do Paraná ─, por meio de um Programa de Patrimônio Cultural, focado na adequação de espaços museais, na catalogação de acervos, na promoção de eventos socioculturais, na produção de mídias digitais e na publicação de livros.

Formada majoritariamente por holandeses, mas também marcada pela presença de brasileiros, indonésios e alemães, a antiga colônia batava chega ao seu primeiro centenário trazendo consigo a marca de multiplicidade, da criação e da invenção. Carambeí não é uma Holanda incrustada em solo brasileiro. Tampouco é um pedaço de Brasil cedido aos holandeses. Ao longo desses primeiros cem anos de existência, ela foi construída a partir da realidade socioeconômica brasileira, constituiu-se com a ação empreendedora holandesa e contou com a colaboração de outros grupos étnicos. Foi assim que se forjou em Carambeí um rico patrimônio cultural, resultado da mescla de diversas matrizes e de sua reelaboração a partir da realidade brasileira.

Carambeí não é, portanto, uma colônia que sintetiza a presença holandesa no Brasil. Ao contrário, é fundamental identificar os diversos momentos e movimentos dessa trajetória ao longo dos últimos séculos, para que se possa perceber o quão diferente e particular é o patrimônio cultural produzido por essa comunidade que se forma no Paraná a partir do começo do século XX.

Tanto por sua datação quanto por seu percurso histórico, é possível considerar a experiência de Carambeí como o ponto de inflexão da colonização holandesa contemporânea no Brasil. Num momento de transformação estrutural do país, a presença batava no Paraná foi determinante para o desenvolvimento do estado e também para a continuidade imigratória dos demais grupos de holandeses para o Brasil.

A celebração do centenário da imigração holandesa em Carambeí capta e valoriza essa relação secular entre o Brasil e a Holanda. Não é somente a comemoração de uma data particular, mas a contemplação de um processo no qual a datação é apenas um marco perceptivo.

Depois de 1911, o relacionamento entre o Brasil e a Holanda passa a ganhar um novo sentido, e as práticas econômicas que a partir de então se estabelecem funcionam como uma das grandes forças dessa história. Em Carambeí, experiência de uma colonização exitosa, o modelo econômico de produção cooperativa estruturou-se em agroindústria, permitiu observar as possibilidades de um Brasil viável, inspirou a formação de outras colônias e possibilitou a sua própria emancipação, em 1995.

Como importante unidade museal, o Parque Histórico de Carambeí pretende contar parte dessa história, valorizando a contribuição holandesa e, ao mesmo tempo, reconhecendo a participação dos outros grupos que fizeram parte da invenção de Carambeí e de seu singular patrimônio cultural.

O desafio é grande, na medida em que a recuperação desse acervo passa pela busca de informações que se originam em documentos oficiais, fotos familiares, matérias jornalísticas, velhas cartas amareladas pelo tempo, depoimentos marcados pelos sentimentos e pelas lembranças mais profundas.

O objetivo dessa iniciativa não é o de recuperar toda a história da presença holandesa no Brasil. Busca-se traçar, em linhas gerais, os caminhos seguidos pelos batavos em solo brasileiro desde os tempos coloniais e chegar até os dias atuais, enfatizando o último centenário a partir de Carambeí.

A preocupação é falar sobre a história dos coletivos, dos personagens anônimos, das pessoas comuns, das lutas, vitórias e fracassos que fazem parte da história de quaisquer comunidades; enfim, produzir aquilo que o intelectual francês Lucien Febvre chamaria de história feita com o inconfundível cheiro de carne humana.

Ao recuperar os acontecimentos que dizem respeito ao cotidiano das pessoas que viveram na colônia ao longo desses cem anos, busca-se desvelar como se deu a invenção de Carambeí e a consequente formação de seu rico e particular patrimônio cultural.

O conjunto das publicações que integram este projeto é composto pelo Almanaque Imigrantes, publicado quinzenalmente, e por seis livros que desenvolvem as temáticas anunciadas nesta apresentação. Este volume específico traça de modo sintético um cenário da presença holandesa no Brasil entre os séculos XVI e XXI. Não se trata de abordar todas as colônias surgidas ao longo desse tempo, mas de esboçar um quadro geral da presença batava em solo verde-e-amarelo.

Em seguida, virão quatro livros, temáticos, que abordarão aspectos da vida em Carambeí desde 1911 até os dias atuais. Arquitetura, tecnologia agrícola, cooperativismo, sociabilidades, culinária e práticas educativas e religiosas são alguns dos assuntos dessas obras, que ajudam a compreender como se formou a colônia e como ela forjou seu patrimônio cultural.

Finalizando a série, será publicado um grande catálogo que expõe todo o processo de pesquisa e produção desse material ─ resultado do trabalho de historiadores, educadores, geógrafos, arquitetos, ambientalistas, jornalistas, fotógrafos, designers, revisores, tradutores ─ e aponta para as características atuais e as perspectivas futuras da presença holandesa em solo brasileiro.

Desta forma, os criadores e diretores do Parque Histórico de Carambeí esperam contribuir não só para a recuperação do conhecimento da presença holandesa no Brasil, mas, principalmente, para a valorização e disseminação do patrimônio cultural desenvolvido em Carambeí.

 

Dick Carlos de Geus

Presidente da Associação do Parque Histórico de Carambeí

Carambeí, julho de 2010   

Veja mais fotos...

Perspectivas da Imigração Holandesa no Brasil. Quatro séculos de patrimônio_171